quinta-feira, 20 de outubro de 2011

COMO LIDAR COM O LUTO NA ESCOLA

Conteúdo
Identidade e Autonomia
Objetivo
Acolher o enlutado.

Ano
Pode ser utilizado em todas as séries/ano.

Período
Indeterminado, quando morrer um parente de uma criança, um membro da equipe escolar ou alguém conhecido de todos.

Desenvolvimento
- Aproxime-se com delicadeza, sem intervir diretamente e sem forçar o enlutado a abraçar, falar ou participar de atividades. Mas não o deixe sozinho. O importante é ele perceber que há uma pessoa adulta atenta ao seu sofrimento.

• Mais do que dizer algo para consolá-lo, deixe que ele expresse suas emoções e só ouça.

• Se fizer perguntas, seja o mais objetivo possível. Diga o que realmente aconteceu, com as palavras certas, e não use eufemismos como: está dormindo ou foi para o céu.

• Pergunte se ela quer contar aos colegas o que aconteceu ou prefere que você o faça. Nas duas hipóteses, reúna todos em roda e, depois de comunicado o fato, pergunte se alguém já passou pela mesma situação. A troca de experiência conforta e é um incentivo para deixar aflorar os sentimentos. Sugira que a turma chame esse colega para brincar, mas sem insistir.

• Quando falecer alguém conhecido (artista ou pessoa importante na comunidade), não perca a oportunidade de conversar sobre o assunto. Explique o que é um cemitério, por que as pessoas são enterradas, por que os adeptos de algumas crenças visitam os mortos no feriado de Finados, o que é um velório etc.

• Se a escola perder um funcionário ou professor, organize um ritual de homenagem com a participação de todos. A cerimônia pode ser simples, como o plantio de uma árvore ou flores no jardim da escola. Assim, sempre que alguém olhar a planta poderá lembrar com carinho de quem se foi. Em sala, sugira fazer um desenho (coletivo ou individual) ou pensar em algumas palavras que poderiam ser ditas para a pessoa.

• Se a perda foi de um familiar de um aluno, reúna a turma do enlutado e faça uma visita de solidariedade. Prepare a turma para que tenha muito respeito, pois o caso é sério.
Consultora Maria Júlia Kovács
Do Laboratório de Estudos sobre a Morte, da Universidade de São Paulo.
Reações de luto
Após o trauma pela morte de uma pessoa próxima, a criança ou o jovem pode apresentar mudanças no seu comportamento. Veja quais são as reações mais comuns.
Nos pequenos
• queda no rendimento escolar;
• agressividade e insegurança;
• euforia e estado de fantasia;
• tristeza, depressão e medo;
• excesso ou ausência de sono e fome;
• sentimento de abandono e culpa;
• desejo de se isolar;
• queixas de dores no corpo e de cansaço.
Nos adolescentes
• raiva contra a pessoa falecida, amigos, professores e até contra si mesmo;
• confusão mental e desatenção;
• queda da auto-estima;
• desinteresse pelos amigos, pelas atividades escolares e pela vida;
• pessimismo e sentimento de culpa;
• ansiedade e crises de angústia;
• solidão e fadiga;
• agressividade e uso de drogas e álcool.
A escola precisa estar Atena para ajudar o aluno a superar essas dificuldades. O Orientador escolar pode ser um profissional indicado para isso.
http://revistaescola.abril.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário